Nossa Orientação Sexual é Determinada no Útero - Ciência da Sexualidade | Fantástica Cultural

Nossa Orientação Sexual é Determinada no Útero - Ciência da Sexualidade
E N T R E V I S T A Psicologia & Comportamento

Nossa Orientação Sexual é Determinada no Útero - Ciência da Sexualidade

Redação ⋅ 14 fevereiro 2021
Em entrevista, o neurobiólogo e médico holandês Dick Swaab explica algumas das descobertas científicas recentes sobre as origens da orientação sexual e de certas características de gênero.

Em um salão na residência do embaixador da Holanda na Espanha, o neurólogo Dick Swaab mostrou uma foto de seus filhos quando eram pequenos: a menina entretida com uma boneca e o menino com um carro. Em seguida, mostrou a mesma cena, mas protagonizada por dois macacos, um macho e uma fêmea. A preferência deles por certos brinquedos, ele disse, não tem nada a ver com o ambiente ou a educação recebida dos pais, mas com as preferências do cérebro feminino por rostos (bonecas) e por objetos em movimento (carros), no caso do cérebro masculino.

Repórter: Provavelmente um dos aspectos mais controversos do seu livro é o que indica que a orientação sexual é determinada durante a gestação do embrião, durante a gravidez.

Dick Swaab: A orientação sexual do indivíduo é determinada no útero materno por uma série de fatores. 50% desses fatores são genéticos e os outros são interações entre os hormônios e as células do cérebro em desenvolvimento.

Pode haver muitos outros fatores envolvidos, também externos, como o estresse da mãe durante a gravidez, que secreta altos níveis de hormônios como cortisol, os quais atravessam a placenta e Foram usados tratamentos com hormônios, castração, transplante de testículos, psicanálise, compostos tais como a apomorfina... Também aprisionaram pessoas, mas isso não muda a orientação sexual. interagem com os hormônios do cérebro em desenvolvimento. Também o tabaco (a nicotina também afeta o cérebro em desenvolvimento), certas drogas, e outros compostos do tipo hormonal.

Há um outro fator interessante que também influencia: o número de filhos nascidos antes de você. É uma questão imunológica. Quando a mãe está grávida de uma criança, é gerada uma proteína que o corpo da mãe reconhece como estranha, o que estimula seu organismo a produzir anticorpos contra esse composto reconhecido como estranho. Quanto mais filhos uma mãe tiver, mais eficientes são esses anticorpos, e isso influencia na orientação sexual do cérebro da criança em desenvolvimento.

Repórter: Sua opinião sobre a homossexualidade foi criticada por aqueles que a consideram uma maneira de "patologizar" ou "medicalizar o problema".

Dick Swaab: A ciência é a busca da verdade. Nos anos 60 ou 70, acreditava-se que a homossexualidade era o resultado de uma mãe dominadora, era a mãe que patologizava (isto é, atribuir a algo o caráter de doença ou anormalidade) sem nenhuma razão. Sabemos agora que a base está no cérebro. Existe variabilidade em tudo que fazemos, todos os nossos potenciais. A variabilidade é o motor da evolução. Existe uma variabilidade em todos os aspectos do comportamento, que deve ser aceita. Nada mais de patologizar, mas de aceitar que as pessoas são diferentes. Temos que proteger essas diferenças e permitir que todos possam viver de acordo com o que faz nosso cérebro.

Repórter: Alguns colegas argumentam que suas reivindicações não foram replicadas em outros estudos, que não há evidências científicas suficientes.

Dick Swaab: Sim, há estudos que mostram isso. Eu não estou de acordo com essa afirmação. Além disso, ele também mostra Outra linha de pesquisa recente sobre filhos adotivos de casais homossexuais mostra que criar uma criança neste ambiente não influencia sua orientação sexual, porque tudo está programado desde cedo no desenvolvimento do cérebro. que as pessoas têm tentado corrigir a homossexualidade de diferentes maneiras até agora sem sucesso. Foram usados tratamentos com hormônios, castração, transplante de testículos, psicanálise, compostos tais como a apomorfina... Também aprisionaram pessoas, mas isso não muda a orientação sexual. Outra linha de pesquisa recente sobre filhos adotivos de casais homossexuais mostra que criar uma criança neste ambiente não influencia sua orientação sexual, porque tudo está programado desde cedo no desenvolvimento do cérebro.

Repórter: De acordo com esses pontos de vista, então não há nada que possamos fazer para mudar o que está escrito em nosso cérebro? A educação ou o ambiente social não pode contribuir?

Dick Swaab: Não é que seja nada, mas a orientação sexual não pode ser influenciada depois do nascimento. Claro que tudo o que aprendemos muda nosso cérebro, nossas sinapses. O cérebro está mudando por tudo que aprendemos, o que fazemos, o que vemos, o que pensamos... o cérebro tem uma certa plasticidade, mas para alguns comportamentos, como a orientação sexual, não há tal plasticidade. Como a identidade de gênero. Se você é homem ou mulher, isso está escrito no seu cérebro desde o nascimento.

Repórter: Diz-se que há diferenças físicas entre o cérebro de um homem e o de uma mulher. Quais são elas?

Dick Swaab: Há diferenças em todos os níveis. Os genes do cromossomo Y dos machos já estão expressos em todo o cérebro masculino a partir da segunda metade da gravidez, para que haja diferenças moleculares, funcionais. Em todos os níveis, até em tamanho molecular, há muitas diferenças entre homens e mulheres. Também há a conexão entre os hemisférios esquerdo e direito, que é maior entre as mulheres. Elas são capazes de combinar diferentes tipos de informação para tirar conclusões, que é a base da intuição feminina. Elas são melhores em interação social e linguagem, ao passo que os homens são mais capazes de se focar e se concentrar em um aspecto específico. Em todos os níveis, até em tamanho molecular, há muitas diferenças entre homens e mulheres.

Repórter: E quanto a inteligência? Existe um tipo de gene da inteligência?

Dick Swaab: O quociente de inteligência (QI) é 88% genético, por isso é importante escolher bem os seus pais. A inteligência é o produto de todos os genes que constituem o cérebro, não é um gene da inteligência. É a forma pela qual o cérebro reage ao meio ambiente e resolve problemas.

Repórter: Mas há algo que as mães possam fazer durante a gravidez para que os seus filhos sejam mais inteligentes?

Dick Swaab: As mães podem fazer muito para evitar danos, parar de usar drogas que não são absolutamente necessárias, evitar tabaco, álcool, contaminação... Tudo isso é muito importante para o desenvolvimento do cérebro no útero. Você também pode exercitar o cérebro da criança após o nascimento, em um ambiente seguro e estimulante. A estimulação é um exercício para o cérebro. A criança tem um potencial a ser desenvolvido com base nos estímulos que recebe do seu ambiente. Se ela crescer, por exemplo, em um lar bilíngue, é possível atrasar em até quatro anos o aparecimento de Alzheimer. Ele é adiado porque você está estimulando o cérebro com ambas as línguas. Uma boa educação, um trabalho interessante e permanecer ativo até uma certa idade são algumas coisas que você pode fazer para manter seu cérebro intacto.

Repórter: De alguma forma, então, você admite que o meio ambiente é importante.

Dick Swaab: Sim, eu não disse o contrário. Mas existem coisas importantes que são programadas no cérebro durante o nascimento que não podem ser alteradas posteriormente. Temos memórias mudando a cada dia, mas são mudanças microscópicas. A plasticidade é muito limitada em algumas questões.

* Fonte: El Mundo.

Compartilhar:
Tags:

· ciências
· comportamento
· psicologia
· sexualidade
VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR

NUNCA PERCA UM POST

Inscreva-se na newsletter


Merlin Capista de Livros Sobre Merlin - Capista de Livros Como Publicar seu Livro ou E-Book - Merlin Capista Criação de Capas de Livro - Merlin Capista Diagramação de Livro - Merlin Capista Portfólio de Capas de Livro - Merlin Capista Portfólio de Ilustrações e Design - Merlin Capista Orçamento - Merlin Capista de Livros Contato - Merlin capista de Livros